Liberdade

Antes de se tornar o bairro da Liberdade, hoje considerado o principal reduto da comunidade oriental na cidade, o bairro era chamado de Distrito da Sé. O Sul da Sé teve suas divisas demarcadas em 1863 e alteradas em 1872. Por fim, em 20 de dezembro de 1905, uma lei criou o Distrito da Liberdade.

Nessa região, havia muitas chácaras, algumas de grande extensão territorial, onde era cultivado especialmente chá. Da divisão dessas chácaras nasceu o bairro da Liberdade.

O bairro abrigou, no século 19, o largo do Pelourinho, onde eram amarrados escravos fugitivos. Alí também ficava localizado o Largo da Forca, que recebeu essa denominação por ser local de execuções, entre as quais ficaram conhecidas as dos soldados Fransciso José das Chagas, o Chaguinhas, e Joaquim José Cotindiba, ocorridas em 1821.

O enforcamento dos dois soldados, condenados por reclamar do soldo pago pela Coroa portuguessa, marcou a cidade de tal modo que foi erguida no local a capela de Santa Cruz dos Enforcados, hoje Igreja de Santa Cruz dos Enforcados. Com a abolição da pena de morte do Brasil, o Largo da Forca passou a chamar-se Largo da Liberdade.

No século 19, o centro de São Paulo foi ligado a Santo Amaro pelas linhas de bonde, cujos trilhos foram construídos no traçado do “caminho de carro”. Uma parte desse caminho viria a ser a rua Domingos de Moraes. Na virada do século 19 para o século 20, a Liberdade começa a sofrer um forte processo de urbanização com alargamento de ruas, desapropriações de terras e imóveis, construções de praças e largos e calçamento de ruas com paralelepípedos.

Nessa época, a Liberdade era um bairro residencial habitado por imigrantes portugueses e italianos que, com o passar dos anos, deixariam ao bairro em direção a outras partes da cidade. Os traços orientais de prédios e residências só começaram a aparecer após a chegada dos primeiros imigrantes japoneses ao Brasil, em 1908, e ganharam impulso na década de 60. O bairro conheceu então as lanternas suzurano, os jardins japoneses e as festas típicas japonesas.

A influência oriental cresceu muito, e em 1969, foi anunciado um plano de reurbanização do bairro dentro do processo de expansão da Linha 1-Azul do Metrô. Em 1974, aconteceu a criação do “Bairro Oriental”, com ruas e praças do bairro inteiramente decoradas com motivos orientais, adquirindo características de uma autêntica cidade japonesa, como podemos ver até hoje. Por fim, em fevereiro de 1975, foram inauguradas as estações Liberdade e São Joaquim do Metrô.

Portanto se você ainda não conhece esse bairro localizado em São Paulo, convidamos você a apreciar esse cantinho oriental muito especial da nossa cidade.

Siga-nos:
https://i0.wp.com/blog.aeru.com.br/wp-content/uploads/2017/01/Liberdade.jpg?fit=1024%2C681https://i2.wp.com/blog.aeru.com.br/wp-content/uploads/2017/01/Liberdade.jpg?resize=150%2C150Sheila RodriguezArtigosjapones,Liberdade,sé.Antes de se tornar o bairro da Liberdade, hoje considerado o principal reduto da comunidade oriental na cidade, o bairro era chamado de Distrito da Sé. O Sul da Sé teve suas divisas demarcadas em 1863 e alteradas em 1872. Por fim, em 20 de dezembro de 1905, uma lei... Cultura Japonesa - Notícias, Novidades e muito mais!